Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, salientou ontem o “contributo fundamental” que os serviços consulares portugueses presentes em 148 países do Mundo podem desempenhar “na informação, no apoio e no esclarecimento dos estudantes, investigadores e docentes universitários em mobilidade”.

O Governante falava, em Lisboa, na sessão de apresentação do Guia “Study and Research Abroad”, ao lado da Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Maria Fernanda Rollo.

Este projeto consiste num guia destinado a quem pretenda realizar uma experiência de mobilidade internacional, no âmbito de atividades de ciência, tecnologia e ensino superior. “Nesta ferramenta os serviços consulares surgem em destaque, assumindo-se como pontos de apoio para os cidadãos, que assim passam a conhecer melhor os seus direitos e deveres” diz uma nota da Secretaria de Estado das Comunidades.

O “Study and Research Abroad” reúne, num único local, informações úteis acerca do país escolhido para estudar, sobre a rede de Postos Consulares de Portugal, sobre os contactos dos serviços de emergência consular, a propósito da documentação a tratar ou, ainda, do planeamento orçamental necessário para estudar lá fora.

“Os estudantes, investigadores e docentes portugueses são exemplos de integração harmoniosa e de diálogo alargado com outras culturas num mundo de conhecimento global. Os serviços consulares podem servir como alicerces a esta mobilidade. Se os cidadãos estiverem inscritos no Consulado torna-se muito mais fácil acompanha-los em situações de necessidade”, referiu José Luís Carneiro, acrescentando que os Consulados podem também “apoiar o diálogo de quem emigra com as redes de portugueses que já existem no estrangeiro, nomeadamente nas áreas da ciência e inovação”.

Segundo a Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Fernanda Rollo o projeto Study and Research Abroad “é uma ferramenta também importante no que diz respeito ao crescimento, à afirmação e visibilidade da diplomacia científica portuguesa e a Comunidade de portugueses no estrangeiro. Todos os que partem, sobretudo os estudantes Erasmus recebem um cartão-de-visita personalizado. Cada estudante, jovem cientista pode colocar os seus contactos e ficar em contacto com os serviços consulares da região de destino”, adiantou.

Em 2016 os serviços consulares praticaram 1,96 milhões de atos consulares, enquanto o Gabinete de Emergência Consular foi responsável pelo tratamento de 13.400 chamadas e mensagens de emergência, sendo que muitas destas ocorrências envolveram cidadãos portugueses a realizar estudos e projetos de investigação no estrangeiro.

O projeto Study & Research Abroad foi desenvolvido em colaboração com a Direção Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, a Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação, a Direção-Geral do Ensino Superior, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia e as Instituições de Ensino Superior.

A sua apresentação ocorreu integrada num evento de reflexão sobre o programa Erasmus +.

 

http://abroad.study-research.pt/

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
8.2