Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Entre alguns copos de vinho, um bom churrasco e conversas paralelas, todos os anos vários portugueses radicados em Bruxelas organizam o maior torneio de futebol português da cidade. Vários emblemas lusitanos reencontram-se num ambiente informal  em Anderlecht, no Centro desportivo de Barca, para o torneio organizado pelo FC Portugal de Bruxelas. No campo pequeno, situado a poucos quilómetros do centro da capital belga, não há espaço para grandes disputas provocadas pelas rivalidades, não existe o acesso ao vídeo árbitro e, no final, sabem que são todos amigos independentemente do resultado. É assim o futebol dos ‘pequenos grandes’ clubes formados pela diáspora portuguesa em Bruxelas. E é talvez este o melhor futebol de todos.

 

Curiosos, adeptos mais fervorosos ou antigas glórias da associação formada há 30 anos não faltaram ao torneio. Com a partida marcada para as 9h da manhã, o Centro Desportivo de Barca começou a ficar mais movimentado pela hora de almoço, quando familiares e apoiantes chegaram para almoçar e animar as bancadas. Ao lado das mesas e da esplanada improvisada, estavam os fogareiros para as bifanas, couratos e entremeadas. Alguns membros da Direção do FC Portugal eram responsáveis por assar a carne, outros estavam atrás do balcão a vender cervejas e finos traçados, enquanto o Presidente estava atrás de uma mesa rodeada por troféus e medalhas e vendia senhas e bilhetes. Tudo parecia amador, exceto no relvado, onde se jogava futebol a sério.

 

Em campo 15 equipas disputavam-se, procurando encontrar o vencedor do torneio. O FC Portugal convida anualmente diferentes equipas de futebol de vários países para o evento e este ano não foi exceção. Do lado dos seniores competiram o Sporting Bruxelas, o FC Baião, o clube EuroConselho, o FC Vimieirense, o Portugal Brussels FC, FC Bonsanci, FPJV Velizy (FRA), FC Porbenspo e o SB 142. Já do lado dos veteranos, competiram as equipas FC Santa Marta, SC Vila Real, os Belenenses, o Sporting de Bruxelas, o Campomaiorense e a Casa do Benfica de Bruxelas. O pequeno centro desportivo não tinha as melhores condições, desde o relvado até às bancadas, mas ninguém parecia muito preocupado com isso. Enquanto duas equipas aqueciam para mais um encontro, os apoiantes preparavam-se para comentar cada investida, possível contra-ataque, corte ou jogada fora de jogo.

“Os nossos jogadores não são pagos, são todos voluntários”

Passando pelo bar e, ainda antes de conhecermos o derradeiro vencedor do torneio, estivemos à conversa com Luís da Silva, membro da associação há vários anos. Fez uma pausa nas vendas de cervejas para nos contar como foi criado o FC Portugal de Bruxelas e para elogiar a prestação da equipa durante os últimos tempos. “Em quatro anos nós conseguimos ganhar o Campeonato e a taça, fizemos a dobradinha duas vezes seguidas”, diz-nos sorrindo. “Claro que há sempre um favorito e o Brussels British é sempre um rival complicado, mas é preciso saber que estamos a falar de jogadores pagos. Os nossos jogadores não são pagos, são todos voluntários com força de vontade para treinar. Por exemplo hoje organizamos o torneio para angariar fundos e pagar o almoço aos jogadores quando acabam os jogos e para terem novos equipamentos”, explica.

 

A associação organiza vários churrascos, eventos no São Martinho e procura compensar a falta de apoios com a angariação de fundos. Apesar do trabalho que a organização dos eventos envolve, Luís garante que são sempre “bons momentos passados entre amigos” e que aproveitam para “colocar muitas vezes a conversa em dia, em torno de uma boa partida de futebol e relaxar depois de semanas atarefadas de trabalho”. Luís veio para a Bélgica muito novo, com apenas 14 anos. Hoje, com 49 anos, já soma mais anos na Bélgica do que em Portugal, mas ainda fala do país com um brilho nos olhos, como se tivesse deixado a sua terra ontem. “Agora já falta pouco para regressarmos a casa. Eu já vou no próximo mês”, replica.

 

Enquanto a hora do regresso não chega e até para distrair a ansiedade das férias, nada melhor do que um bom jogo de futebol e Luís da Silva não quis perder a grande final do torneio. Em campo e depois da última partida do dia, o clube EuroConselho foi o grande vencedor do torneio de 2019. Nas bancadas explicam-nos que “a equipa foi criada por um português que trabalhava nas instituições europeias e que gostava muito de futebol. Por isso é que se chama mesmo EuroConselho”. O fundador do clube faleceu recentemente, mas a equipa continua a jogar, seguindo certamente a sua vontade e dedicando-lhe esta vitória suada.

 

Gostou deste artigo? Vote e participe!
Votação do Leitor 1 Voto
9.9