Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Cinquenta e duas produções, entre as quais uma belga, compõem a temporada de 2017 da Companhia de Teatro de Almada (CTA), apresentada na semana passada, que inclui 12 encenações próprias e quatro estreias.

“Migrantes”, um texto do dramaturgo romeno Matéi Visniec, com encenação de Nuno Cardoso, “História do cerco de Lisboa”, a partir de José Saramago, com dramaturgia de José Gabriel Antuñano e encenação de Ignacio García, “Nathan, o sábio”, do filósofo, teólogo e dramaturgo alemão Gotthold Ephrain Lessing, e “As aventuras de Guinhol”, sobre o texto tradicional francês do século XIX, com encenação e adaptação de Teresa Gafeira, são as quatro criações da Companhia.

Entrar em diálogo com a comunidade acerca da dimensão de cada um, enquanto cidadão português, mas também do mundo, é um dos objetivos da temporada 2017, do Teatro de Almada, disse o diretor da Companhia, Rodrigo Francisco, que destacou a estreia de peças e o debate de temas de atualidade, no programa definido.

Este ano verificar-se-á ainda o regresso a Almada dos coreógrafos Wim Vandekeybus e Olga Roriz, ao mesmo tempo que é renovada a colaboração com a Quinzena da Dança, segundo Rodrigo Francisco.

O Teatro Municipal Joaquim Benite vai receber os espetáculos “Speak low… if you speak love”, pela companhia belga “Ultima Vez”, com direção e coreografia de Wim Vandekeybus.

O diretor destaca o caráter “eclético” da programação, num ano em que o país vive um ambiente de “relativa estabilidade política e económica”, em relação ao passado recente, ainda que a subvenção do Estado à CTA se mantenha igual à de 1997.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
8.9