Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Chama-se ‘Portugal Live It’, já soma cinco edições e, tal como o nome em inglês indica, procura promover ainda mais um país que está na moda e pretende assim ficar. O evento organizado pela Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa (CCBP) quer colocar em contacto os principais resorts e imóveis exclusivos em Portugal com os seus potenciais interessados e investidores a residirem na Bélgica. Este ano o encontro celebrou uma parceria com a Associação Portuguesa de Resorts (APR) e apresentou na Embaixada de Portugal em Bruxelas cinco excelentes oportunidades do mercado imobiliário português espalhadas pelo centro e sul do país.    

 

Quando chegámos à Embaixada de Portugal em Bruxelas, Stefan ouvia atentamente a explicação sobre o resort situado perto da costa, na Quinta do Lago, no Algarve. Conheceu Portugal há mais de dez anos e, desde então, o país plantado à beira-mar passou a ser um destino habitual de férias. “Eu acho que esta é a altura ideal para investir”, diz-nos no final da apresentação. “Todos os anos procuramos e ficamos em hotéis diferentes, mas acho que nestes resorts o conforto e qualidade não têm comparação”, acrescenta.

 

Natural da Bélgica e funcionário numa agência europeia há mais de 15 anos, Stefan “carrega as baterias de vitamina D” no sul de Portugal e as suas escolhas estavam mais inclinadas para o Algarve, mas o evento ‘Portugal Live It’ também apresentou resorts localizados em Tróia ou Lisboa. De acordo com o Presidente da Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa, Rui Faria da Cunha, a organização aproveitou “a onda que foi criada pelo turismo em Portugal” para relançar este ano o evento ‘Portugal Live It’ criado em 2010. “Este evento vai de encontro à função principal da nossa Câmara que é justamente facilitar o negócio entre os dois países, neste caso no imobiliário. Haverá outras áreas de interesse da Câmara, mas penso que este evento é importante e a prova está aqui porque teve uma grande participação”, sublinhou. A maior parte dos participantes eram estrangeiros residentes na Bélgica e que, à semelhança de Stefan, conheciam bem o país, mas procuravam analisar outras oportunidades de alojamento para as suas férias.

 

Longe vão os tempos associados às dificuldades nos resorts em Portugal. Em 2018 o turismo residencial português foi considerado o melhor na Europa depois de uma avaliação de 26 empreendimentos em 9 países. De acordo com Pedro Fontainhas, Diretor Executivo da Associação Portuguesa de Resorts (APR), “em Portugal o resort não é um gueto onde se passam férias com tudo incluído e com uma pulseira à volta do pulso. Não é um sítio que quando se sai de portas estamos no deserto”, referiu. O Dirigente associativo sublinhou que “um resort em Portugal é sinónimo de um projeto imobiliário de altíssima qualidade e pensado no estilo de vida dos seus clientes como prioridade número 1”, concluiu.

“A palavra-chave é inovação”

O evento ‘Portugal Live It’ foi um dos primeiros eventos organizados pela Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa com o novo Presidente Rui Faria da Cunha nos seus comandos. A ligação do advogado à Câmara já é antiga e Rui já tinha sido Presidente há dez anos atrás. Em abril, Luís Medeiros Romão abandonou a Presidência da CCBP por motivos profissionais e Rui Faria da Cunha foi novamente eleito para ocupar funções até 2022.

 

Em entrevista ao Lusojornal, Rui confessou que a Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa foi a primeira instituição que contactou quando chegou a Bruxelas em 2003. “Há 15 anos, uma das primeiras coisas que fiz foi contactar a Câmara de Comércio porque acho que é muito importante para um português que vá para o estrangeiro, no momento que em que chega ao local de destino, encontrar as associações ou Câmaras de Comércio portuguesas no local”, sublinha.

 

Actualmente o Presidente reconhece que “as Câmaras de Comércio vivem momentos complicados” e que “a palavra-chave é inovação”. “No passado, e a Câmara existe há 80 anos, a Câmara era chamada para ajudar a resolver problemas de circulação, mas hoje em dia não existem esses problemas na Europa, por isso tivemos que encontrar uma forma de manter a Câmara relevante para os seus membros. Eu acho que isso significa cada vez mais eventos de networking, onde as pessoas se encontram para falar de negócios”, afirma.

“Ser a Câmara de Portugal junto da União Europeia”

Tirando também partido da sua presença no coração da Europa, a Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa criou o serviço ‘European Desk’, convidando representantes de interesses de portugueses presentes em Bruxelas para aderirem à CCBP.  A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), o Gabinete dos Açores em Bruxelas e duas consultoras ligadas a ‘public-affairs’ já aderiram à Câmara e, de acordo com o novo Presidente, “os novos membros vieram trazer um novo dinamismo”.

No final, Rui Faria da Cunha também adiantou o tema do próximo evento. Brevemente a Câmara de Comércio Belgo-Portuguesa vai reunir à volta de uma mesa uma série de atores ligados à economia do mar para que as empresas possam saber de antemão o que a Comissão Europeia está a planear e o impacto que isso pode trazer para as relações entre Portugal e a Bélgica.

 

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 3 Votos
9.5