Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

A companhia belga “Ultima Vez” apresentou, no passado dia 24 de fevereiro, no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, o bailado “Speak low if you speak love…”, com direção e coreografia de Wim Vandekeybus.

Depois da apresentação de “NieuwZwart” (“Novo negro”), na sala principal do Teatro Municipal Joaquim Benite, em 2010, o coreógrafo Wim Vandekeybus regressou a Almada com “Speak low if you speak love…”, “uma ‘performance’ que persegue o mais caprichoso dos sentimentos – o amor – consciente da impossibilidade de o compreender”, como descreve o criador, na apresentação da obra.

“Estamos interessados no reconhecimento e na emotividade”, esclarece o coreógrafo, acrescentando que “dificilmente o amor se traduz por palavras, mas a música é capaz de dar uma ideia e de transmitir, apesar de tudo”, o seu “imenso poder”.

Neste espetáculo, Vandekeybus contou novamente com a contribuição de Mauro Pawlowski, na criação musical, e acrescentou-lhe o carisma da cantora sul-africana Tutu Puoane na interpretação ao vivo dos diferentes temas.

Nascido em Herenthout, na Bélgica, em 1963, Wim Vandekeybus é um coreógrafo e cineasta belga, vencedor do prémio Keizer Karel e do Evens Arts. Estudou Psicologia até 1985, quando ingressou no colectivo de Jan Fabre, encenador, ator, dramaturgo e designer.

No ano seguinte Vandekeybus fundou a sua própria companhia, à qual deu o nome de “Ultima vez”.

O seu primeiro espectáculo, ”What the body does not remembre” (“Aquilo que o corpo não recorda”), criado há exatamente 30 anos, foi aclamado internacionalmente e distinguido com um Bessie Award, os prémios norte-americanos de dança, atribuídos anualmente em Nova Iorque.

“Speak low if you speak love…” (“Fala baixo, se falas amor”), estreado em 2015, no âmbito de Mons – Capital Europeia da Cultura, tem co-criação e interpretação Jamil Attar, Livia Balazova, Chloé Beillevaire, David Ledger, Tomislav English, Nuhacet Guerra Segura, Sandra Geco Mercky e Maria Kolegova.

A música original, interpretada ao vivo, é de Mauro Pawlowski, Elko Blijweert, Jeroen Stevens e Tutu Puoane. A dramaturgia do espectáculo é de Greet Van Poeck, a direção de cena de Tomde With e a direção geral, a coreografia e a cenografia são de Wim Vandekeybus.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 1 Voto
8.9