Uma senha ser-lhe-á enviada por correio electrónico.

Num comunicado enviado ao LusoJornal, o Conselheiro das Comunidades Portuguesas eleito na Bélgica, Pedro Rupio, que também é Presidente de Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Portugueses Emigrados na Bélgica (APEB), saiu em defesa da atual Presidente da Direção da associação Conceição Araújo.

Já António Tomé, que também já presidiu a associação, tal como Pedro Rupio, tinha vindo a público em defesa de Conceição Araújo.

Na origem destas tomadas de posição está um polémico artigo de opinião publicado na revista ABC Classificados, assinado por António P. Ribeiro.

António P. Ribeiro, proprietário do Café Espace Europe, candidatou-se à Presidência da APEB na última Assembleia Geral, mas a lista que apresentou não chegou a ir a votos porque foi considerada “não conforme” pela Mesa da Assembleia Geral.

Segundo escreve António P. Ribeiro na ABC Classificados, a Direção anterior recebeu um saldo positivo de mais de 21.000 euros e as contas apresentadas na Assembleia Geral apresentaram um saldo negativo de 4.000 euros “e ainda devendo fornecedores”. Fala mesmo de “desfalque” escrevendo que “provavelmente o desfalque chega a cerca de 8 mil euros”.

E, num português do Brasil, interrogando-se sobre a diferença de saldo entre os dois exercícios, António P. Ribeiro pergunta: “Cadé este montante?”.

Pedro Rupio fala de “falsas informações que sujaram o nome e a reputação da atual Presidente da Direção da APEB” e escreve que “a Conceição Araújo, sócia número 6 da APEB, inscrita na associação desde 1977, é uma das grandes referências da coletividade. Esteve, ou está, envolvida em várias secções e eventos da associação: rancho, teatro, coral, carnaval… É também o grande motor da organização da secção das Marchas da APEB. Enfim, durante décadas, dedicou a título benevolo milhares de horas à associação”.

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral considera que “questões financeiras ou de ordem organizativa da APEB não devem ser debatidas publicamente” porque afirma que “existe um espaço previsto para tal: a Assembleia Geral da associação”.

“Tudo o que aconteceu após 2015 na APEB, mais precisamente no período 2015/2017, não pode ter sido influenciado pela Conceição Araújo em termos de gestão admnistrativa ou financeira pela simples razão que esta última não fazia parte da Direção da associação” escreve em comunicado enviado às redações Pedro Rupio. “Nesse período 2015/2017, a Conceição Araújo foi Presidente da Mesa da Assembleia Geral da APEB, e não da Direção administrativa. São funções totalmente distintas”.

E Pedro Rupio explica que “como é sabido, o cargo de Presidente da Mesa da Assembleia não engloba qualquer tipo de responsabilidade administrativa ou financeira: a função do(a) Presidente da Mesa da Assembleia limita-se a dirigir as Assembleias Gerais da associação que, por norma, têm lugar uma vez por ano”.

Pedro Rupio deixa um “voto de confiança à atual Presidente e demais membros da atual Direção da APEB. Sei das capacidades que têm e acredito que possam fazer um excelente trabalho no mandato que agora começou”.

Quando Pedro Rupio foi Presidente da Direção da APEB, no mandato 2014/2015, Conceição Araújo era Vice Presidente. “Nesse período, a Direção da APEB reestruturou a totalidade dos seus locais, renovou material eletrónico e informático, dinamizou as aulas de informática, lançou um projeto de aulas de neerlandês, colaborou com a Embaixada de Portugal e de São Tomé e Príncipe em várias iniciativas culturais, organizou um intercâmbio com uma associação luso-suíça… E finalmente, a Direção do mandato 2014/2015 deixou a associação com uma situação financeira muito estável, das melhores que se viu nos anos 2000” escreveu em comunicado Pedro Rupio. “Sem tirar o devido mérito a inúmeros sócios que muito contribuiram para esse balanço positivo, acontece que uma das pessoas que teve maior impacto nesse resultado foi a Conceição Araújo que assumiu nesse mandato o cargo de Vice-Presidente da Direção da associação”.

António Tomé, um “histórico da APEB”, diz-se “chocado” com o texto de António P. Ribeiro e também lhe escreveu para “dar-lhe uma pequena lição da gestão de uma associação”.

António Tomé diz que não podem concorrer às eleições “filhos de sócios que não sejam sócios” e conclui dizendo que o artigo de opinião daquele que pretendia ser Presidente da APEB contém “acusações sem fundamento dirigidas à nova Presidente por difamação”. Por isso, pede ao associado da APAB que peça desculpa na mesma revista.

Gostou deste artigo? Vote, participe!
Votação do Leitor 18 Votos
5.8